Disciplinas oferecidas conjuntamente:
JC005/A
JC007/A
JC016/A
JC018/A

Linguagem: Jornalismo, Ciência e Tecnologia


JC005/A | Linguagem: Jornalismo, Ciência e Tecnologia
Docente: Prof. Dr. Marcos Aurélio Barbai
Horário: Quarta-feira - 09:00-13:00 - Inicia em 27/02/2019
Local: Sala de Treinamento da DGA (Diretoria Geral da Administração) Endereço: Praça das Bandeiras, 45 - Cidade Universitária


Semestres em que a disciplina foi oferecida: 2019 - 1º Semestre,

Aborda a linguagem como elemento de persuasão, construção do conhecimento, formação de mentalidades e constituição de cidadania a partir dos estudos da cultura midiática e tecnológica em diferentes gêneros e suportes. Reflete sobre as Teorias do Jornalismo e discute o papel social, o potencial dialógico e polissêmico da mídia como representação e recorte da realidade, simulacro do real. Identifica os enlaces do processo comunicacional que se formam a partir de teias multimídias e provocam sentidos múltiplos, visíveis e invisíveis. Discute o poder da mídia, o direito à informação e a sedução dos meios em seu contexto cultural e social a partir do trinômio informação, versão e realidade. Desenvolve a análise crítica do discurso jornalístico e científico na perspectiva da argumentação e retórica a partir de textos teóricos e práticos. Examina a responsabilidade e a ética social de cientistas e jornalistas no processo de divulgação científica para a (re)construção de uma memória individual e coletiva.

Programa
O insulto: práticas de palavra, administração discursiva de um dizer
Este curso será dedicado a refletir, em nossa contemporaneidade, uma problemática discursiva e de divulgação ainda pouca estudada, isto é, o insulto, levando em consideração a sua forma e o seu funcionamento, nas práticas, nos rituais de palavra e na circulação de dizeres, em nossa sociedade. Parto da ideia de que o insulto é uma articulação violenta do verbo. Em seu coração, nesse ato, há a liberação de um dizer impronunciável, em direção a alguém. Um insulto atinge as identidades, a história, um povo. O insulto é a palavra que não deve passar pela nossa boca, ou seja, palavrões, inter-ditos de línguas, ironia e riso praticados no laço social, na cidade. O insulto é, portanto, um lixo de palavra, um asco de voz e dizer, um abjeto de língua e tecnologias, que se joga no outro, o semelhante. Este curso tem dois objetivos: 1) mapear, cartografar e recortar em diferentes materiais de análise e campos de produção e circulação do dizer (no jornalismo, nas redes sociais, no esporte, na política, na ciência, na literatura, na vida pública e privada, na música, nas novelas) as formas do insulto; e, 2) interrogar, a partir do referencial teórico e metodológico da Análise de Discurso, a produção da administração histórica, institucional e científica das palavras e a ética e a responsabilidade do dizer. O curso consistirá em aulas expositivas e na realização de seminários.
Esta disciplina está diretamente ligada às questões da Declaração Universal dos Direitos Humanos uma vez que reconhece que o direito de existir na linguagem tem implicações e consequências éticas e políticas. É direito do homem e da mulher se fazer, se reconhecer e se nomear em sua língua, já que falar, comunicar, debater implica não só o “como se dizer”, mas a responsabilidade enquanto parte daquilo mesmo que se diz.
Observação importante:
As aulas se iniciam em 27/2/2019.
Alunos especiais serão aceitos. Enviar e-mail ao professor apresentando, brevemente, a motivação para seguir o curso.
Marcos Barbai: mbarbai@terra.com.br

Bibliografia

AUSTIN, John Langshaw. How do to things with words. Tradução brasileira: Quando dizer é fazer. Danilo Marcondes de Souza Filho. Artes Médicas, 1990.
ARANHA, Altair Júnior. Dicionário Brasileiro de Insultos. Ateliê, 2002.
BALDINI, Lauro. J.; BARBAI, Marcos. A.; CAVALLARI, Juliana. S. (orgs.) Discurso e Psicanálise: a-versão do sentido. Campinas, Pontes, 2016.
BALDINI, Lauro. J. e DI NIZO, Patrícia Leal. O cinismo como prática ideológica. Estudos da Língua(gem) Vitória da Conquista v. 13, n. 2 p. 131-158, 2015.
BARBAI, Marcos. Litígios no Ciberespaço: a rede na ponta da língua. In: CARROZA, Guilherme; SANTOS, Mirian; SILVA, Telma Domingues. (Orgs.). Sujeito, Sociedade, Linguagem. Campinas: RG Editora, 2012, p. 50-66.
———————-. No dizer, um asco de palavra: o insulto. No prelo.
BENVENISTE, Emile. A blasfêmia e ou eufemismo. Problemas de Linguística Geral II. Tradução: Eduardo Guimarães. Campinas: Pontes, 2006.
BERTA, Sandra. Escrever o trauma, de Freud a Lacan. Annablume, 2014.
CARVALHO, Sérgio Luís de. Dicionário de Insultos. Planeta, 2014.
DIAS, Cristiane. Análise do discurso digital: sujeito, espaço, memória e arquivo. Campinas: Pontes, 2018.
DOUEIRI, Ziad. O Insulto. Longa-Metragem. Imovision Distribuidor, 2017.
FREUD, Sigmund. O chiste e sua relação com o inconsciente. Tradução: Fernando Costa Matos. Companhia das Letras, 2017.
GROS, Frédéric. Desobedecer. Tradução: Célia Euvaldo. Ubu Editora, 2018.
HAROCHE, Claudine. L’appauvraissement intérieur de l’individu dans le capitalisme contemporain. In: HAROCHE, Claudine e DÉLOYÉ, Yves. Le sentiment d’humilhation. Press Éditions, 2001, 15-34.
LACADÉE, Philippe. L’insulte, un usage de langue pas sans risque. In: L’insulte. BRAVO, Frederico. Presses Universitaires de Bordeaux, 2015, p. 59-91.
KRISTEVA, Julia. Pouvoirs de l’horreur. Essai sur l’abjetion.Tel Quel, 1980.
LACAN, Jacques. O sintoma, livro 23. Rio de Janeiro: Zahar, 2015.
———————. O Aturdito. In: Outros Escritos. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.
———————. …ou pior, livro 19. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.
LAURENT, Eric. Ciudades Analíticas. Tres Haches, 2014.
MC Linn da Quebrada. Pajubá, 2017.
Milner, Jean-Claude. Os nomes Indistintos. Cia de Freud, 2007.
MODESTO, Rogério. Interpelação ideológica e tensão racial: efeitos de um grito. In: Revista Littera. V.9. n.15. Dossiê “Raça, gênero e brasilidade: discursos, identificações, subjetividades (Orgs: Glória França e Mariana Cestari), no prelo.
NGALASSO-MWATHA, Musanji. Le mot qui tue. L’insulte en gipende. In: L’insulte. BRAVO, Frederico. Presses Universitaires de Bordeaux, 2015, p. 237-258.
ORLANDI, Eni Puccinelli. Discurso e Texto: formulação dos sentidos. Campinas: Pontes, 2001.
———————————. Cidade dos sentidos. Campinas: Pontes, 2004.
———————————. Análise de Discurso: princípios e procedimentos. Pontes, 1999.
———————————. Discurso e Leitura. Cortez, 1987.
———————————-. Interpretação. Petrópolis. Vozes, 1998.
———————————. As formas do silêncio. Editora da Unicamp, 1990.
———————————. A linguagem e seu funcionamento. Brasiliense, 1988.
———————————. Destruição e construção do sentido: um estudo da ironia. 1983 – In:http://www.discursividade.cepad.net.br/EDICOES/09/Arquivos/eniorlandi.pdf
———————————. Eu, Tu, Ele – discurso e real da história. Pontes, 2017.
PACHECO, Ana Laura Prates. Da fantasia de infância ao infantil na fantasia. Annablume, 2012.
PORGE, Eric. Voz do eco. Mercado de Letras, 2014.
SAEZ, Javier e CARRASCOSA, Sejo. Pelo Cu: políticas anais. Tradução: Rafael Leopoldo. Editora Letramento, 2017.
SIBLIA, Paula. O show do Eu: a intimidade como espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 2016.
SOUZA, Pedro. Michel Foucault: o trajeto da voz na ordem do discurso. RG Editores, 2009.
RAJAGOPALAN, Kanavillil. Dos dizeres diversos em torno do fazer. In: Revista D.E.L.T.A. São Paulo. V.6, nº 2, 1990, p. 223-254.
VORSATZ, Ingrid. Antígona e a ética trágica da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

O Labjor é um centro de referência para a formação e para os estudos em divulgação científica e cultural. Oferece, de forma multidisciplinar, cursos de pós-graduação, e proporciona pesquisas e produtos culturais que contribuem para a análise da dinâmica das relações entre ciência e sociedade.
Universidade Estadual de Campinas - Unicamp
Rua Seis de Agosto, 50 - 3º piso - CEP: 13083-873
Fones: (19) 3521-2584 / 3521-2585 / 3521-2586 / 3521-2588
Ver endereço para envio de correspondências
LABORATÓRIO DE ESTUDOS AVANÇADOS EM JORNALISMO - UNICAMP