Disciplinas oferecidas conjuntamente:
JC001/A
JC015/A
JC013/A
JC012/A
JC020/A
JC014/A

Ciência, Tecnologia e Sociedade


JC001/A | Ciência, Tecnologia e Sociedade
Docente: Profs. Dras. Márcia Maria Tait Lima, Maria Conceição da Costa e Rebeca Buzzo Feltrin
E-mail para contato:

Horário: Quinta-feira - 14:00 às 17:30 - Início em 08/08
Local: DPCT/IG - Endereço: Rua Carlos Gomes, 250, Sala: 215 (2º piso) - Cidade Universitária


Semestres em que a disciplina foi oferecida: 2019 - 2º Semestre,

Esta disciplina apresenta conteúdo histórico/analítico, das sociedades ocidentais contemporâneas.
Discute as relações entre ciência, tecnologia e desenvolvimento econômico e social, tanto nos
países desenvolvidos como nos países em desenvolvimento. Analisa o debate atual sobre
organização da pesquisa e as transformações em curso e seus impactos nos países em
desenvolvimento.

O curso abordará ainda algumas relações entre as diferentes Ciências Sociais (Sociologia, Ciência
Política e Antropologia), pensando como cada uma participa dos debates no interior dos Estudos
Sociais da Ciência buscando alternativas metodológicas para o estudo de ciência e tecnologia. Este
semestre a disciplina discute as relações de gênero frente à questões de ordem científica e
tecnológica, ressaltando algumas questões éticas, epistêmicas e políticas que permeiam a
aplicabilidade de algumas tecnologias e seus impactos na vida das mulheres. Nesta disciplina
traremos elementos para pensar não apenas nas implicações negativas, mas principalmente para
entender novas formas de reação e resistência das mulheres, mobilizando conceitos a partir das
epistemologias feministas e dos estudos sociais da ciência e tecnologia, como: conhecimentos
situados e corpo-território, corpo-política do conhecimento; e apontando elementos teóricos para
discussão de questões referentes à ética, legitimidade, parcialidade e descolonialidade dos
conhecimentos tecnocientíficos.
Bibliografia
BARBOSA, Márcia C. B. ; LIMA, Betina S. Mulheres na Física no Brasil: por que tão poucas? E
por que tão devagar?. In: Silvia Cristina Yannoulas. (Org.). Trabalhadoras Análise da Feminização
das Profissões e Ocupações. 1ed.Brasília:
Editorial Abraré, 2013.
BOURDIEU, P. Os Usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São
Paulo: Unesp. 2003, p. 17-48.
CABRAL, Carla.  Mapeando e refletindo a construção do campo disciplinar “Estudos feministas
da ciência e da tecnologia” no Brasil nos percursos do “Fazendo Gênero”. In: Seminário
Internacional Fazendo Gênero 8, Florianópolis, 2008.
CURIEL, Ochy. Descolonizando el Feminismo: una perspectiva desde America Latina y el
Caribe. Primer Coloquio Latinoamericano sobre Praxis y Pensamiento Feminista, realizado en
Buenos Aires en junio de 2009.
CLARKE, Adele E. et al. Biomedicalization: technoscience, health and illness in the U.S.
Durham: Duke University Press. 2010.
COLLINS, H; Pinch, T. Dr. Golem: How to Think About Medicine. University of Chicago Press,
Chicago, IL, USA, 2006. 246 pp. Cap. 1 e 4.
FEMENÍAS, M. L. Esbozo de un feminismo latinoamericano. Rev. Estud. Fem.,  Florianópolis, v.
15, n. 1, p. 11-25, Apr. 2007.
GARGALLO, F. Feminismos desde Abya Yala: proposiciones de las mujeres de 607 pueblos en
nuestra América. Cidade do México: Editorial Corte y Confección, 2014. 270 p.
HARAWAY, D. “Saberes localizados: a questão da ciência para o Feminismo e o privilégio da
perspectiva parcial”, 1995.
JASANOFF, S. 'To be inclusive, you need more voices' – Q&A with Sheila Jasanoff. Future Earth.
2014.
KELLER, E F.Reflexiones sobre género y ciencia. Edicions Alfons El Magnànim, Valencia, 1991.
LIMA, Betina S. Teto de vidro ou labirinto de cristal? As margens femininas das ciências.
Dissertação de mestrado em História. Brasília: Universidade de Brasília., 2008.

LOCK, M. Biomedical Technologies, Cultural Horizons, and Contested Boundaries. In:
HACKETT, E. J. AMSTERDAMSKA, O; LYNCH, M. & WAJCMAN, J. (eds.) The Handbook
of Science and Technology Studies, pp. 875-900, Cambridge, MA: MIT Press, 3a ed, 2007.
LOCK, M. Medicalization and the naturalization of social control. In: Ember, Carol R.; Ember,
Melvin (Ed.). Encyclopedia of medical anthropology. v.1. New York: Kluwer Academic; Plenum.
p.116-124. 2004.
LOPES,, M. Margaret; FELTRIN, Rebeca. B. ; ALENCAR, Maria. C. F. ; VASCONCELLOS, B.
Intersecções e interações: Gênero em Ciências e Tecnologias na América Latina.. In: Pablo
Kreimer; Hebe Vessuri; Léa M.S. Velho; Antonio Arrellano. (Org.). Perspectivas
latinoamericanas en el estudio social de la ciencia, la tecnología y el conocimiento. 1ed.Ciudad de
Mexico: Siglo XXI, 2014, p. 233243.
LÖWY, I & GAUDILLIÈRE, J. Localizing the Global: Testing for Hereditary Risks of Breast
Cancer. Science, Technology & Human Values, 2008.
LUGONES, M. Rumo a um feminismo descolonial. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v.
22, n. 3, p. 935-952, set. 2014.
MAFFÍA, D. Epistemología Feminista: por una inclusión de lo feminino en la ciencia, 2005.
MCCALL, Leslie. The Complexity of Intersectionality. Signs: Journal of Women in Culture and
Society, v. 30, n. 3, p. 1771–1800, 2005.
MENDOZA, B. “La epistemología del sur, la colonialidad del género y el feminismo
latinoamericano”. En Espinosa Miñoso, Y. (coord.): Aproximaciones críticas a las prácticas
teórico-políticas del feminismo latinoamericano. Buenos Aires: En la frontera, 2010.
PAREDES, J. Hilando fino desde el feminismo comunitário. Mujeres creando comunidad. La Paz,
2010.
RABINOW, Paul & ROSE, Nikolas. Biopower Today. BioSocieties, 1, 195-217, 2006.
ROSE, Nikolas & NOVAS, Carlos. Biological Citizenship. Blackwell, 2002.
SCHIEBINGER, Londa.  Mais mulheres na ciência: questões de conhecimento. História, Ciências,
Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v.15, supl., p.269281, 2008.
SISMONDO, Sergio. Science and technology studies and an engaged program. In: HACKETT,
Edward J. et al. (Ed.). The handbook of science and technology studies. Cambridge: The MIT
Press, 2008. p.13-31.
SOUZA, Jessé. Raça ou classe? Sobre a desigualdade brasileira. Lua Nova, n. 65, p. 43–69, 2005.
TAIT, M.M. Elas dizem não! Mulheres Camponesas e resistência aos cultivos transgênicos.
Campinas: Librum, 2015.

O Labjor é um centro de referência para a formação e para os estudos em divulgação científica e cultural. Oferece, de forma multidisciplinar, cursos de pós-graduação, e proporciona pesquisas e produtos culturais que contribuem para a análise da dinâmica das relações entre ciência e sociedade.
Universidade Estadual de Campinas - Unicamp
Rua Seis de Agosto, 50 - 3º piso - CEP: 13083-873
Fones: (19) 3521-2584 / 3521-2585 / 3521-2586 / 3521-2588
Ver endereço para envio de correspondências
LABORATÓRIO DE ESTUDOS AVANÇADOS EM JORNALISMO - UNICAMP