Categorias de Projetos

Projetos concluídos


Generation of alcohol production scenarios as support for the formulation of public policies applied to the adaptation of the national sugar and alcohol industry to the climate changes (AlcScens). (2012 – 2015)
The agriculture and the cattle raising, while activities that directly depend on environmental conditions for its performance, may be severely affected by the climate changes, mainly in tropical regions. This is worrying for Brazil because of the importance of agribusiness to the economy and to society as a whole. Among the agricultural crops of great importance for the country, the sugar cane has a special feature in the context of climate change due to the expansion of the use of alcohol fuel in Brazil and in the world, in the coming years, as a way of mitigating the emissions of greenhouse gases (GHGs). Coordenadora de Comunicação: Dra Vera Regina Toledo Camargo. www.cpa.unicamp.br/alcscens/

Por entre ciências, divulgações e comunicações, as configurações políticas de cultura e de público (2010 – 2014)

Este projeto propõe-se a examinar como os conceitos de cultura e público têm sido movimentados pelos Estudos de Ciência, Tecnologia e Sociedade (CTS), pelos Estudos Culturais, pelos Estudos Sociais das Ciências, pelos Estudos de Comunicação e Jornalismo e pelos Estudos Pós-Estruturalistas, visando analisar criticamente essas diferentes correntes interpretativas e estabelecer ampliações do conceito de cultura científica. Coordenadores: Carlos Vogt e Susana Dias.


Arqueologia e a Divulgação Científica: Diálogos e saberes (2012 – 2013)
O objetivo é apresentar o conhecimento ao público amplo das diferentes vertentes e práticas da ciência Arqueológica, de forma a estimular a reflexão, interação e a compreensão desta ciência. Entre os objetivos específicos está apresentar a ciência arqueológica de forma a salvaguardar o patrimônio; apresentar, por meio de suportes midiáticos, a arqueologia pública; divulgar o conhecimento arqueológico por meio de material de Divulgação Científica; construir o conhecimento arqueológico por meio da produção de material para divulgar o conhecimento; abordar os diferentes aspectos da Ciência Arqueológica; construir material para a educação patrimonial sobre bens e sítios arqueológicos no litoral paulista. Vice-coordenadora: Vera Regina Toledo Camargo. Financiamento: Sociedade Brasileira de Arqueologia/ Petrobras.

Percepção pública da saúde (2010 – 2012)
O trabalho de pesquisa teve o objetivo de reunir informações acerca da percepção pública da saúde no Estado de São Paulo, a fim de obter subsídios para a elaboração de políticas públicas voltadas para o Sistema Único de Saúde (SUS). Os dados foram obtidos por meio de um survey realizado em todo o Estado de São Paulo, com um questionário com perguntas fechadas e semi-fechadas aplicado em uma amostra estratificada, por sexo e classe econômica, de aproximadamente 1500 pessoas. Coordenador: Carlos Vogt. Financiamento: Fapesp.

Escritas, imagens e ciências em ritmos de fabul-ação: o que pode a divulg-ação científica? (2010 – 2012)

Pulsa neste projeto de pesquisa o desejo de investigar: o que podem as imagens, textos, sons da divulgação científica? O que pode a divulgação científica, especialmente quando as imagens e textos não se restringem a explicar as coisas? Mobilizada por essas questões, esta equipe de pesquisadores propõe investigar um conjunto de imagens e escritos veiculados nos mais diversos espaços-tempos de divulgação científica. Coordenadores: Carlos Vogt, Susana Dias e Elenise Andrade.


Multidão em transe: investigações em divulgação científica e cultural (2011)
Este projeto pretende mobilizar estudantes a pensar as noções de público e de cultura na divulgação científica e cultural, a partir do pensamento/criação conjunto com o grupo de pesquisa multiTÃO: prolifer-artes sub-vertendo ciências e educações e com artefatos culturais (palavras, imagens, sons). Coordenadora: Susana de Oliveira Dias. Financiamento: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico e Fundo de Apoio ao Ensino, à Pesquisa e Extensão.

Jogo, celebração, memória e identidade: reconstrução da trajetória de criação, implementação e difusão dos Jogos Indígenas no Brasil (1996-2009). (2009 – 2011)
Projeto interdisciplinar buscando relacionar o campo da memória com o do esporte e o da divulgação científica via acervos audiovisuais. O objetivo é contribuir com as lideranças indígenas na produção da pesquisa com o intuito de elaborar um conteúdo científico sobre os jogos, que possa alimentar os órgãos responsáveis pela sua criação. Essencialmente documental, tem o objetivo de organizar a informação e documentação localizada em diferentes acervos no país. Coordenadora: Vera Regina Toledo Camargo. Financiamento: Secretária da Cultura/Ministério da Cultura.

Percepção Pública da Ciência e Tecnologia
Desenvolvido com pesquisadores da Ibero-américa, em especial da Organização dos Estados Ibero-Americanos (OEI) e a Rede Ibero-americana de Indicadores de Ciência e Tecnologia (Ricyt/Cyted), com o objetivo de criar uma metodologia única para e construir indicadores de cultura científica. Englobou pesquisas de opinião pública, análise de resultados e comparação com referências internacionais com o objetivo de analisar o que a população pensa e sabe sobre Ciência e Tecnologia. Coordenação: Carlos Vogt. Financiamento: Fapesp.

Um lance de dados: jogar/poemar por entre bios, tecnos e logias

Trata-se de uma proposta de pesquisa e divulgação científica que aposta em uma aproximação – quase invasão – do público (entendido como autor) em discussões sobre biotecnologias, mídias e suas intensas possibilidades de intervenções na vida. Coordenador: Carlos Vogt. Financiamento: Ministério da Educação e Ministério da Cultura – Proext 2008. Coordenadores: Carlos Vogt, Susana Dias e Elenise Andrade.


Biotecnologias de rua

Durante quatro dias, artistas e pesquisadores fizeram workshops – sobre roteiro, edição, imagem, cinema, som, vjing (VJ) e fotografia. Os registros sonoros e visuais dessas ações serão disponibilizados no Blog do Calçadão (www.labjor.unicamp.br/biotecnologias/calcadao). Coordenadores: Carlos Vogt e Susana Dias.


SAPO
O projeto Sapo (Scientific Automatic Press Observer) tem como base um software, desenvolvido pelo Labjor e pelas empresas Solis e Olpa, com apoio da Fapesp, que funciona como sistema de coleta, seleção, organização e mensuração da presença da ciência, tecnologia e inovação (C,T&I) na mídia. Trata-se de um sistema de busca baseado em um banco de dados integrado com um sistema classificador e indicadores quantitativos, medidos automaticamente, da presença e do impacto das questões ligadas a CT&I em jornais diários online. O Sapo já se mostra um instrumento bastante valioso para a reflexão e pesquisa sobre o quanto e como ciência, tecnologia e inovação aparecem na mídia impressa, e conta com um desenvolvimento bastante maduro principalmente no que se refere ao armazenamento e qualificação das matérias. Coordenação: Carlos Vogt. Financiamento: Fapesp

TIME – Tecnologias e Mídias Interativas na Escola
As atividades do projeto abordaram fortemente os princípios que regem a comunicação e a educação (Educomunicação) no que diz respeito à utilização recursos tecnológicos para a produção de rádio na web, produção de clipes musicais, filmes, peças teatrais, dentre outras atividades que contribuem com o processo de aprendizado dos alunos e o desenvolvimento de toda a comunidade escolar. Integrante: Dra Vera Regina Toledo Camargo (coordenação). Financiamento: Fapesp.

Construção do conceito de espaço do conhecimento na Ibero-América
Realizado em parceria com a OEI, que pretende expandir os estudos sobre a cultura científica e a democratização do conhecimento em toda ibero-américa. A parceria já resultou na realização, com a participação intensa de professores e alunos do MDCC, do I Foro Iberoamericano de Comunicação e Divulgação Científica, na Unicamp em novembro de 2009. Decorrente desse projeto, em fevereiro de 2010, foi também realizado o Foro de Cultura Ciência & Tecnologia, no Paraguai. A equipe esteve envolvida na organização da Empírika 2012 - Feira Ibero-americana de Ciência, Tecnologia e Inovação. A primeira ocorreu em Salamanca em 2010 e a segunda em Campinas, em novembro de 2012. Coordenador: Carlos Vogt. Financiamento: OEI.

Globo Ciência
O programa Globo Ciência, produzido pelo Canal Futura e veiculado pela Rede Globo, é direcionado a um público pré-adolescente e foi ao ar uma vez por semana. O Labjor elaborou conteúdo e fez o acompanhamento da produção dos roteiros nos seguintes programas: sapato, musculação, morcegos/radar, linguagem, eleições, água, fome, previsões, crescimento, epidemias, vento, asas da borboleta, família, pesca, balão, expedições,superpoderes, identidade, vida no espaço, sabão, usinas nucleares, sementes e clonagem.

Brasil Pensa
No ar de 1994 a 2000, teve cerca de 140 programas, reunindo os mais importantes intelectuais, cientistas, pesquisadores, empresários, homens públicos e sindicalistas do país. Mais de 500 convidados participaram dos debates coordenados pelo economista Luciano Coutinho. Foi produzido pelo Labjor em conjunto com o Instituto Uniemp e contou com o apoio institucional da Unicamp, USP, Unesp, PUC-SP, Mackenzie, Finep, Fapesp enquanto foi veiculado pela TV Cultura de São Paulo, e contou ainda com o patrocínio da Volkswagen e Petrobras.

Observatório da Imprensa
Outra importante atividade de divulgação científica e acompanhamento da mídia, apoiada pelo Labjor, é o Observatório da Imprensa. Coordenado pelo jornalista Alberto Dines, existe desde 1996, e é um projeto de media watching, que tem como finalidade construir um espaço público destinado a reunir os críticos de jornalismo e representantes da sociedade, para acompanhamento e monitoramento dos meios de comunicação. A partir de 1998, o Observatório da Imprensa passou a ter uma versão televisiva, com o mesmo nome, na TVE e na TV Cultura de São Paulo, de grande repercussão nacional. É hoje uma referência crítica indispensável do jornalismo e da mídia no Brasil.

Ponto de Ebulição
Programa de televisão com o objetivo de identificar a produção científica nacional, situando-a no cenário internacional, mostrando a importância do desenvolvimento científico e tecnológico para o progresso econômico. A ideia foi apresentar os principais programas de ciência, tecnologia e inovação em desenvolvimento no Brasil, entrevistando pesquisadores, empresários e personalidades e mostrando as instituições que se destacam. Foi uma parceria entre o Labjor e o Canal Futura, da Fundação Roberto Marinho, com o patrocínio principal da Petrobras, contando, ainda, com o apoio da Fapesp, da Siemens e do Instituto Uniemp.

Memória Roda Viva
Projeto de constituição de um acervo escrito dos programas televisivos, exibidos desde 1986, do programa Roda Viva. São disponibilizadas, na íntegra, todas as entrevistas já feitas e que serão realizadas no futuro, permitindo que pesquisadores, telespectadores e internautas acessem seu conteúdo no formato texto, acrescido de verbetes, referências, fotos e pequeno vídeo. Coordenador: Carlos Vogt. Financiamento: Fapesp.

Divulgação, conhecimento e percepção de segurança-insegurança alimentar entre os Guarani (2010 – 2011)
O material produzido não tem um caráter puramente devolutivo, mas reconhece os indígenas como protagonista no processo da construção do mesmo. Os temas abordados refletem os resultados da pesquisa, a saber: processos de mobilidade espacial, situação demográfica, condições de saúde, hábitos de vida, costumes e cultura alimentares, práticas usuais de atividade física, identificará as percepções e conhecimentos próprios sobre segurança alimentar, especialmente aquelas correspondentes às dimensões consideradas universais deste fenômeno. Foi construído um vídeo e um programa de rádio. Coordenadora de Comunicação: Dra. Vera Regina Toledo Camargo.

Índice Brasil de Inovação (IBI)
A equipe do IBI desenvolveu uma metodologia inédita para mensurar a capacidade inovativa das empresas do Brasil, considerando tanto os esforços realizados por essas empresas para inovar (como gastos e recursos humanos aplicados em pesquisa e desenvolvimento), quanto os resultados das atividades inovativas (como as patentes). Com base nessa nova metodologia, e valendo-se de dados da Pesquisa Industrial de Inovação Tecnológica (Pintec/IBGE) de 2003 e do Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (INPI), o IBI lançou, em 2007, a primeira edição do ranking de empresas inovadoras do país. Coordenador: Carlos Vogt. Financiamento: Fapesp.

Revista Inovação Uniemp
Inovação UNIEMP foi uma publicação trimestral, impressa, elaborada pelo Labjor entre 2005 e 2010, com a função de contribuir para o debate consequente dos temas científicos e tecnológicos da atualidade. A revista teve como um grande diferencial uma seção de serviços que trouxe, entre outros assuntos, os passos para a criação do Índice Brasil de Inovação, fruto da parceria entre Unicamp, Uniemp e Fapesp, para caracterizar as empresas do setor industrial quanto à sua atuação efetiva na questão da Inovação no Brasil. Trouxe ainda entrevista, artigos e seções de notas de lançamentos na área tecnológica e sobre assuntos relacionados à propriedade intelectual.

Patrimônio - revista eletrônica do Iphan
Patrimônio - revista eletrônica do Iphan, produzida até 2007 pelo Labjor, foi dedicada às questões da memória e da cultura, material e imaterial.

Revista Conecta
A revista Conecta foi produzida pelo Labjor e lançada durante o seminário Conecta 2008. A publicação fez parte das atividades de divulgação do PIT-SP (Programa de Investigação Tecnológica do Estado de São Paulo). Download em: http://www.inova.unicamp.br/pit-sp/revista_conecta.pdf

Revista Luz
A revista eletrônica da CPFL Cultura foi parte de uma estratégia para propiciar o debate e a reflexão sobre os grandes temas da contemporaneidade, estimulando a circulação da produção intelectual que hoje já está consolidada no Café Filosófico CPFL.

Quando a ciência é notícia (2000-2001)
Pesquisa que investiga a mídia impressa brasileira, mapeando o quanto ela divulga sobre ciência e de que forma esse conteúdo é veiculado. Para tanto, foi utilizado o método comparativo, por sua eficácia na compreensão das estruturas midiáticas conjunturais e contextuais. Quando a Ciência é Notícia-2000-2001 foi apoiada pelo Pronex-CNPq e baseada em uma pesquisa organizada pelo prof. José Marques de Melo, que inventariou a forma como a ciência foi divulgada nos jornais brasileiros na década de 80.

O Labjor é um centro de referência para a formação e para os estudos em divulgação científica e cultural. Oferece, de forma multidisciplinar, cursos de pós-graduação, e proporciona pesquisas e produtos culturais que contribuem para a análise da dinâmica das relações entre ciência e sociedade.
Universidade Estadual de Campinas - Unicamp
Rua Seis de Agosto, 50 - 3º piso - CEP: 13083-873
Fones: (19) 3521-2584 / 3521-2585 / 3521-2586 / 3521-2588 Fax: (19) 3521-2599
LABORATÓRIO DE JORNALISMO AVAÇANDO - UNICAMP