Edições da Especialização

Teorias e métodos da ciência


ES-807 | Teorias e métodos da ciência
Docente: Profa. Dra. Flávia Luciane Consoni de Mello e Profa. Dra. Janaína Oliveira Pamplona da Costa
E-mail para contato: flavia.consoni@gmail.com, jpamplonadacosta@gmail.com
Horário: Segundas-feiras
Local: Dependências do Labjor

A emergência da ciência moderna e seu processo de institucionalização.  As características da prática científica e do conhecimento produzido pelas ciências.  A disputa pela demarcação de fronteiras entre conhecimento científico e outros modos de conhecer e explicar o mundo. Relações e dissensões entre saberes tradicionais e saberes científicos.

Objetivos

 O objetivo desta disciplina é iniciar uma reflexão sobre as características da ciência moderna e de suas formas de produção de conhecimento. A partir de diferentes abordagens teóricas adotadas no estudo das ciências discutem-se: a emergência e a institucionalização da ciência moderna; as instituições e organizações que produzem e regulam a produção de conhecimento científico; suas formas de transmissão de conhecimento e a disputa pela demarcação de fronteiras entre saberes científicos e outros tipos de conhecimento; a análise das relações entre ciência, tecnologia e sociedade. Ela busca levar os estudantes a refletir sobre as características da prática científica e do conhecimento produzido pelas ciências e aborda os desafios na demarcação de fronteiras entre conhecimento científico e outros modos de conhecer e explicar o mundo, como aqueles produzidos por diferentes religiões, comunidades locais e grupos atuantes em diferentes contextos históricos e políticos.

Programa

Introdução: O debate sobre a complexidade

Módulo 1: Surgimento e institucionalização da ciência moderna

Emergência e Institucionalização da Ciência Moderna

Onde podemos datar a emergência da ciência moderna? Por quê? O que foi a Revolução Científica? Que instituições surgem e/ou se modificam nesse período. Existe relação entre a emergência da ciência e a emergência do capitalismo? 

Conhecimento científico, matematização, experimentalismo

Com o surgimento da ciência moderna, consolidam-se novas maneiras de representar o mundo, visualmente e simbolicamente. A centralidade da matemática como forma “verdadeira” de representar o mundo natural, e o espaço. O experimento na produção do conhecimento científico.

Autoridade cognitiva e conhecimento tácito

Como discutir a autoridade cognitiva da ciência frente a outros tipos de conhecimento? O que é conhecimento tácito? Como ele é obtido? Que papel ele tem no cotidiano, na produção de outras formas de conhecimento, particularmente na ciência e na tecnologia?

Módulo 2: Teorias sobre a ciência

 Demarcando a ciência: positivismo e método 

Como caracterizar o conhecimento científico? O que difere a ciência de outros tipos de conhecimento? Como obter conhecimento através da razão e do experimento? Qual a importância da evidência empírica na ciência? Quais as metodologias apropriadas para a ciência?

Compreensão sociológica da ciência: Normas, valores, estrutura e organização da ciência

Existe um conjunto geral de normas e valores na ciência? Quais são eles? Como são transmitidos e reforçados? Quais as consequências de sua modificação ou abandono? Quais as situações em que eles se aplicam e quando eles deixam de ter validade? Que tipos de estrutura e hierarquia existem na ciência? Como elas se desenvolvem e quais seus processos de mudança? Como essas hierarquias são estabelecidas e mantidas?

Repensando as teorias científicas: Paradigmas e revoluções

Ao percebermos as dificuldades para sustentar um padrão universal, necessário e não histórico para a cientificidade, surge o reconhecimento do caráter humano, coletivo e muitas vezes pouco racional do empreendimento científico. Torna-se necessário esclarecer sua localização social e histórica e desvendar a estrutura subjacente ao seu desenvolvimento. 

Módulo 3: (Re)Construindo a ciência e a sociedade: disputas e controvérsias

Controvérsias científicas, ciência e política 

Por que existem as controvérsias científicas? Os cientistas são capazes de prestar consultoria politicamente neutra para os governos, ou o papel desses cientistas é essencialmente político? Como os cientistas traduzem e interpretam os resultados de seu trabalho em um contexto externo à ciência? Qual a validade dos resultados de pesquisa científica para informar a tomada de decisão em políticas públicas?

 Controvérsias tecnológicas, risco e expertise

A produção constante de inovações tecnológicas tem sido historicamente fonte de grande autoridade para a ciência, no sentido de comprovar a sua utilidade. Ao mesmo tempo, novas tecnologias criam riscos e dilemas antes inexistentes, e são alvos de disputas tanto na ciência quanto na sociedade em geral. Como entender tais disputas? Qual a diferença entre controvérsias e simulacros de controvérsias.

Universidade e Inclusão Social

 A universidade como campo de disputa sobre a inclusão/exclusão de saberes.

Bibliografia

– BOURDIEU, Pierre. O campo científico. In: Ortiz, R., org. Pierre Bourdieu; Sociologia. São Paulo, Ática, 1983. 

– CITELI, M. Teresa. As desmedidas da Vênus negra: gênero e raça na história da ciência.  Novos Estudos CEBRAP, n.61, p.163-75, nov.2001

– COLLINS, Harry; Pinch, Trevor (2010) O Golem: o que você deveria saber sobre ciência. Belo Horizonte: Fabrefactum, 2010. “Introdução”, pp. 1-4; Cap. 3, pp. 71-100; cap. 4, pp. 101-117; “Conclusão”, pp. 177-193.

– CUNHA, Manuela Carneiro (2007) Relações e dissensões entre saberes tradicionais e saberes científicos, em Revista USP, São Paulo, n75, p76-74, setembro/novembro.

– EASLEA, Brian (1977). La Liberación Social y los Objetivos de la Ciencia. Madrid: Siglo Veintiuno Editores, 1977. cap.4, pp. 123-131.

– FOUCAULT, Michel (1982) A Microfísica do Poder , Editora Graal.

– HENRY, John (1998), A Revolução Científica. Jorge Zahar Editor, Rio de Janeiro, pp. 1-53.

– KUHN, Thomas (1962) A estrutura das Revoluções Científicas, Editora Perspectiva, São Paulo, 1975, pp 145-172 (Capítulo X: As revoluções como mudanças de concepção de mundo).

– LAQUEUR, Thomas (2001)  Inventando o sexo: corpo e gênero dos gregos a Freud. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001 (Capítulo 1 Da Linguagem e da Carne, pp 13-40).

– LATOUR, Bruno (2001). Referência circulante: amostragem do solo da floresta amazônica. In: LATOUR, Bruno, A esperança de Pandora. Bauru: EDUSC, 2001, pg. 39-96

– LATOUR, Bruno (2000)  Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo: Ed. da UNESP, 2000 [Capítulo 3 MAQUINAS – As incertezas do construtor de fatos, 169-199].

– MERTON, R.K. Os Imperativos Institucionais da Ciência. In: J.D.Deus (org), A Crítica da Ciência. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1979, pp. 37-52.

– MORIN, Edgar (1990) Ciência com Consciência, Bertrand Brasil, Rio de Janeiro, Primeira Parte. 

– RONAN, Colin. História Ilustrada da Ciência. Vol. III. Cap. 7. “Da Renascença à Revolução Científica”.

– SANTOS, Boaventura (2007) Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes, Novos Estudos CEBRAP,  nr 79, novembro 2007. 

– THUILLIER, Pierre (1994), Cap. 2: “Espaço e Perspectiva no Quattrocento” in De Arquimedes a Einstein, Jorge Zahar Editor, Rio de Janeiro, pp. 57-88.

– WEBER, Max, “A ciência como vocação” em Ciência e política: duas vocações, Cultrix, São Paulo, 1972

Referências Complementares:

– ARANA, Hermas (2007) Positivismo: reabrindo o debate. Campinas: Autores Associados, 2007, Cap. 2: “Ciência e dado empírico”, pp. 47-109.

– CARVALHO, José Jorge de. A Prática da Extensão como Resistência ao Eurocentrismo, ao Racismo e Mercantilizição da Universidade. Disponível em www.unb.br/ics/dan/Serie363empdf.pdf, acessado em 20/07/2007.

– CARVALHO, Maria Cecília M. de A Construção do Saber Científico: algumas posições. In: Carvalho, M. C. M. de Construindo o Saber: metodologia científica, fundamentos e técnicas. 3.ed. Campinas: Papirus, 1991. (pp. 79–93).

– COLLINS, Harry (2011) Mudando a ordem: replicação e indução na prática científica. Belo Horizonte: Fabrefactum, 2011.

– DEMO, Pedro (1980) Metodologia científica em ciências sociais. São Paulo: Atlas, 2011 [1980], pp. 133-171.

– EISENSTEIN, Elizabeth. (1998) A revolução da cultura impressa: os primórdios da Europa Moderna. São Paulo: Ática, 1998.

– HELLMAN, Hal (1998) Wegener contra todo mundo – A deriva dos continentes in Grandes Debates da Ciência, Ed. UNESP, São Paulo, SP.

– HELLMAN, Hal (1998) Lorde Kelvin contra geólogos e biólogos – A idade da Terra in Grandes Debates da Ciência, Ed. UNESP, São Paulo, SP.

– HELLMAN, Hal. “Urbano VIII contra Galileu: uma disputa desigual”, in Grandes debates da ciência. São Paulo: UNESP, 1999, pp. 19-41.

– HESSEN, Boris (1985) Las raíces socioeconómicas de la mecánica de Newton. La Habana, Cuba: Editorial Academia, 1985, pp. 13-59.

– KUHN, Thomas. S. A Função do Dogma na Investigação Científica. In: DEUS, J. D. (org), A Crítica da Ciência. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1979.

– KURZ, Robert. O efeito colateral da educação fantasma. Folha de S. Paulo, domingo, 11 de abril de 2004, Caderno Mais.

– LAKATOS, I. (1978) The Methodology of Scientific Research Program, Cambrige University Press, Cambridge.

– MATHIAS, Peter. Who Unbound Prometheus?, In: P. Mathias (ed), Science and Society 1600-1900. Cambridge: Cambridge University Press, 1972, pp.54-79Merton, R. K. La Ciencia y el Orden Social. In: R. K. Merton, La Sociologia de la Ciencia 2. Madrid: Alianza Editorial SA, 1977, cap.12, pp.339-354.

– MERTON, R. K. El efecto Mateo en la ciencia. In: R. K. Merton, La Sociologia de la Ciencia 2. Madrid: Alianza Editorial SA, 1977, cap.20, pp. 554-578

– MERTON, Robert K. El estimulo puritano a la ciencia. In: R. K. Merton, La Sociologia de la Ciencia 2. Madrid: Alianza Editorial SA, 1977, cap.11, pp. 309-338.

– MICHAELS, David (2008) Doubt is their Product. How Industry´s Assault on Science threatens your health Oxford University Press.

– MORIN, E (1990) Introdução ao Pensamento Complexo, Instituto Piaget, Lisboa (pp 83-112)

– ORESKES, Naomi & Conway, Erik (2010) Merchants of Doubt. Bloomsbury Press.

– RONAN, Colin. História Ilustrada da Ciência. Vol. III. Cap. 7. Da Renascença à Revolução Científica, e Cap. 8. “Os Séculos XVII e XVIII”.Santos, Boaventura Souza dos Santos (2004) A Universidade no século XXI: para uma reforma democrática e emancipatória da Universidade. Cortez, São Paulo.

– THUILLIER, Pierre (1994), Leonardo da Vinci e o Nascimento da Ciência Moderna in De Arquimedes a Einstein, Jorge Zahar Editor, Rio de Janeiro.

– VELHO, Léa, Prochazca, Maria Vivianna. No que o mundo da ciência difere dos outros mundos? Revista Eletrônica ComCiência, n. 50, LABJOR, Campinas, 2003. Disponível em http://www.comciencia.br/reportagens/mulheres/09.shtml

– VELHO, Otávio O Rei nu, Folha de São Paulo, 15/11/2006, pg 2.

– VELHO, Otávio. A conquista da autonomia. Revista Carta Capital, 27 dez. 2006, p. 25-27.

Zilsel, E. The sociological roots of science, American Journal of Sociology, vol. 47, pp. 544-60, 1941.

O Labjor é um centro de referência para a formação e para os estudos em divulgação científica e cultural. Oferece, de forma multidisciplinar, cursos de pós-graduação, e proporciona pesquisas e produtos culturais que contribuem para a análise da dinâmica das relações entre ciência e sociedade.
Universidade Estadual de Campinas - Unicamp
Rua Seis de Agosto, 50 - 3º piso - CEP: 13083-873
Fones: (19) 3521-2584 / 3521-2585 / 3521-2586 / 3521-2588
Ver endereço para envio de correspondências
LABORATÓRIO DE ESTUDOS AVANÇADOS EM JORNALISMO - UNICAMP