Dossiês Entrevistas Resenhas Notícias Memória Fototeca Agenda Quem somos Fale conosco
Frevo de hoje destaca-se pela improvisação
Museu preserva acervos de grandes nomes da literatura nacional
Uma câmera na mão e uma idéia na cabeça? Mito do improviso é questionado
22 anos depois, Gilberto Velho reflete sobre tombamento de terreiro
Revista do Patrimônio sobre Museus é lançada no Rio de Janeiro
Frevo nasceu como fenômeno de resistência popular
Página inicial > Notícias
Fundação Cultural Palmares completa 17 anos e lança revista
Carolina Cantarino
Criada em agosto de 1988, a Fundação Cultural Palmares fez aniversário e a data está sendo comemorada por meio de uma série de iniciativas, dentre elas, a publicação da revista Palmares - Cultura Afro-Brasileira. O lançamento que aconteceu no último dia 14 de setembro, em Salvador. O primeiro número da revista homenageia o ex-senador Abdias do Nascimento, escritor e artista plástico com histórica atuação no movimento negro.

A principal intenção da revista é veicular a produção cultural de artistas, intelectuais e militantes negros. Sendo assim, seu projeto editorial é marcado pela diversidade de linguagens: desde ensaios de caráter mais acadêmico, resenhas e entrevistas até textos mais literários e ensaios fotográficos. Com circulação nacional, a revista contará com três edições anuais, contabilizando um total de 10.500 exemplares por ano.

“Acreditamos que o papel de uma fundação pública de cultura negra é promover a produção e circulação de idéias referenciadas no patrimônio cultural que nos foi legado por nossos antepassados africanos, capazes de fortalecer nossa identidade e, ao mesmo tempo, estabelecer o diálogo com todos os componentes da diversidade cultural brasileira” afirma Ubiratan Castro de Araújo, editor-chefe da revista e presidente da Fundação Cultural Palmares.

Vinculada ao Ministério da Cultura, a Fundação Cultural Palmares tem se destacado por sua atuação na questão da titulação de terras remanescentes de quilombos (veja reportagem) e também na área da educação, através da elaboração de material didático, atividade que ganhou ainda mais relevância com a instituição da lei 10.639 que tornou obrigatória, a partir de 2003, a presença da história da África e da cultura afro-brasileira nos currículos escolares.

Imprimir esta matéria Enviar por e-mail