Dossiês Entrevistas Resenhas Notícias Memória Fototeca Agenda Quem somos Fale conosco
Frevo de hoje destaca-se pela improvisação
Museu preserva acervos de grandes nomes da literatura nacional
Uma câmera na mão e uma idéia na cabeça? Mito do improviso é questionado
22 anos depois, Gilberto Velho reflete sobre tombamento de terreiro
Revista do Patrimônio sobre Museus é lançada no Rio de Janeiro
Frevo nasceu como fenômeno de resistência popular
Página inicial > Notícias
Frevo de hoje destaca-se pela improvisação
05/03/2007

Passado o carnaval, o frevo deixou as ruas de Recife para esquentar a agenda de debates sobre cultura popular na cidade. Realizado no dia 2 de março, o seminário Frevo, uma dança pernambucana reuniu músicos e pesquisadores que discutiram as origens e as formas atuais de manifestação desse gênero que mistura letra, música e dança. Promovido pela Fundação Joaquim Nabuco, o eventou iniciou-se com uma marcha de bloco cantada por todos os presentes em homenagem ao folclorista Mário Souto Maior.

Para a coordenadora do evento, Rúbia Lóssio, o objetivo do encontro foi divulgar o frevo, na forma de debate, para que haja uma reflexão sobre esse tema, unindo o antigo e o novo, para além do carnaval.

A primeira parte do seminário foi dedicada à história do frevo no disco e na imprensa. O pesquisador fonográfico Renato Phaelante destacou que a palavra frevo, na discografia brasileira, surge como título e ritmo no ano de 1931. O historiador Leonardo Dantas Silva lembrou a edição do Jornal Pequeno (Recife-PE), de 9 de fevereiro de 1907, que contém o primeiro registro conhecido do vocábulo frevo. Localizada por Evandro Rabello, um dos participantes do debate, essa antiga edição marca os Cem Anos do Frevo, tema do carnaval recifense deste ano.

As variações históricas da música frevo foram o tema de debates na última seção do evento. Munidos de seus instrumentos, o maestro Edson Rodrigues, representante da velha geração de músicos na cidade e seu pupilo, o maestro Spok, discutiram e tocaram os sons da velha tradição desse ritmo e suas novas tendências. Para Spok, o frevo como música tem se destacado cada vez mais da letra e do passo para alcançar um estatuto de expressão artística autônoma, na qual a improvisação, ao estilo do jazz, é uma de suas marcas.

Citanto Valdemar de Oliveira, musicólogo pernambucano, Rúbia Lóssio diz que não há no mundo inteiro um binário tão sacudio, tão pessoal e tão típico, nem dança tão estranha e tão expressiva. O ''frevo é um rebuliço contagiante'' , completa.

Imprimir esta matéria Enviar por e-mail