Grupo teatral especializado em temas científicos inicia temporada em SP

domingo 10 de agosto de 2008.
 
Neste mês, o grupo teatral Arte Ciência no Palco apresenta, no auditório da PUC-SP, três peças que têm como tema os conflitos éticos, dramas e questões relacionadas com a ciência. O grupo comemora dez anos de existência reencenando as peças “E agora Sr. Feynman?”, “After Darwin” e “A dança do universo”.

Durante o mês agosto o grupo teatral Arte e Ciência no Palco (ACP)apresenta no auditório da Pontifícia Universidade Católica (PUC) de São Paulo três peças que têm como tema os conflitos éticos, dramas e questões relacionadas com a ciência. O grupo, formado em 1998 por Carlos Palma e Adriana Carui, comemora dez anos de existência reencenando as peças “E agora Sr. Feynman?”, “After Darwin” e “A dança do universo”.

“O teatro discute sobre o ser humano; quando olhamos para as estrelas ou para um átomo, estamos procurando nosso lugar no universo como seres humanos” afirma Oswaldo Mendes, integrante do grupo (e autor de “Dança do Universo”). Para ele, a ciência é visivelmente um elo de união entre as pessoas “O ser humano se reconhece, entre outras coisas, pelo conhecimento e a ciência é uma língua praticamente universal”.

Em “E agora Sr. Feynman?”, o físico e ganhador do Prêmio Nobel Richard Feynman está à espera de uma iminente cirurgia de emergência para tentar conter o avanço de um câncer que o consome, quando recebe a visita de uma aluna de física e passa a refletir sobre sua vida e seu amor à ciência. “After Darwin” retrata um diálogo imaginário que poderia ocorrer entre o jovem Charles Darwin e o capitão do navio Beagle, Robert Fitzroy. O naturalista, na peça, é posto em choque com as visões criacionistas personificadas por Fitzroy. Já em a “Dança do Universo”, inspirado no livro do físico Marcelo Gleiser, Isaac Newton, Johannes Kepler, Galileu, Santo Agostinho, Lucrécio, Einstein e Mário Schenberg dividem, além do palco, as preocupações e conflitos internos pelas quais todas as pessoas (cientistas ou não) se deparam pela vida.

Atualmente, o Arte e Ciência no Palco conseguiu uma parceria com o Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas da PUC (campus Consolação, onde ocorrem os espetáculos). “Até então, ao contrário de outros grupos, éramos um grupo de teatro independente. Agora somos vinculados a uma instituição de pesquisa e uma nova fase se inicia”, finaliza Mendes.

O grupo também promove palestras e faz apresentações especiais para grupos e escolas. Em uma década de atuação, o ACP contabiliza um público de cerca de 30 mil estudantes nas redes públicas de São Paulo e do Rio de Janeiro, somados aos quase 700 mil espectadores que assistiram às nove montagens já encenadas.

Responder a esta matéria