Tinta inseticida poderá ser usada contra a Doença de Chagas

quarta-feira 4 de junho de 2008.
 
Um trabalho do Centro de Pesquisas René Rachou, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), em Belo Horizonte, está avaliando a eficácia de tinta inseticida. Usada em casas de pau-a-pique e galinheiros, a pintura extermina o barbeiro, transmissor da doença de Chagas, e outros insetos.

Uma tinta especial é o mais novo inimigo do barbeiro, o inseto vetor do Trypanosoma cruzi, o protozoário causador da doença de Chagas. O médico infectologista João Carlos Dias, do Centro de Pesquisas René Rachou, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), em Belo Horizonte, está avaliando a tinta inseticida que pode ser aplicada em casas de pau-a-pique e galinheiros, os esconderijos prediletos do barbeiro. Além de exterminar os insetos, o pesticida tem liberação lenta e efeito residual, que pode durar cerca de um ano. A tinta tem também bom aspecto e não deixa odores.

(JPG)
Casa pintada com a tinta inseticida há mais de seis meses.

Desenvolvido na Espanha, o produto já tem ação comprovada contra mosquitos, ácaros, himenópteros (formigas, abelhas, vespas) e ortópteros (grupo das baratas). A fórmula é uma combinação dos inseticidas diazinon, clorpirifós e piriproxifen, mas testes toxicológicos classificaram o produto final como pouco tóxico ou praticamente atóxico para humanos. Considerada inofensiva às pessoas ao ambiente, a pintura inseticida está aprovada para uso domiciliar no México, Costa Rica, Colômbia, Espanha e Argentina, com patente registrada nesses dois últimos paises. Há também registros de sua patente no Brasil, Estados Unidos, Inglaterra, França e Alemanha.

Dias conta que uma nova formulação da pintura, cujos ingredientes ativos são compostos chamados piretróides, está em fase de testes. Nesses ensaios, a tinta é aplicada em galinheiros experimentais. Em seis meses de testes, conduzidos em Minas Gerais, a pintura mostrou-se eficaz contra os insetos e não causou danos em cobaias ou galinhas expostas. O próximo passo - com início previsto para agosto - é tratar 200 casas rurais em Minas Gerais com ambas as formulações. Seu desempenho será então comparado com o do inseticida convencional (alfa-cipermetrina), distribuído pelo Ministério da Saúde.

Para Dias, efeitos cumulativos são possíveis, assim como para todo pesticida. Por isso, o monitoramento com animais segue em andamento. “A parte toxicológica básica está favorável; o acompanhamento de seres humanos expostos na Bolívia nada detectou em mais de um ano de exposição”, diz ele. “O uso [criterioso] e tecnicamente correto de fosforados e piretroides não tem indicado efeitos importantes”, esclarece.

Nas doses adequadas e eficientes, a toxicidade aguda é menor ou no máximo semelhante à dos ingredientes ativos já empregados contra a dengue (fosforados) e Chagas ou malária (piretróides), segundo Dias. “Nos programas tradicionais, o ingrediente ativo vai bruto e solto - teoricamente mais agressivo - e na pintura vai aderido à matriz”. Composta de carbonato de cálcio e resina, a matriz da pintura inseticida é branca, mas pode ser colorida com pigmentos de quaisquer cores, à escolha dos moradores.

Segundo o pesquisador, o uso em larga escada do produto depende basicamente de dois pontos, a ausência de efeitos colaterais para humanos, animais e ambiente e uma boa relação custo-efetividade. Um efeito residual superior a dois anos seria o ideal, na opinião de Dias.

No mercado brasileiro já existe, desde o ano passado, uma tinta repelente. O produto foi lançado visando o nicho de combate à denque. Diferente da tinta da Fiocruz, a repelente não tem efeito inseticida e afugenta insetos usando aditivos de origem vegetal.

Responder a esta matéria