Congresso atesta o crescimento da pesquisa brasileira em petróleo

sexta-feira 26 de outubro de 2007.
 
Congresso de pesquisa em petróleo e gás realizado em Campinas ultrapassa espectativas de participações e de trabalhos inscritos e demonstra o crescimento do país no setor

O 4º Congresso Brasileiro de P&D em Petróleo e Gás (PDPETRO) encerrado nesta quarta-feira (24) em Campinas, SP, mostrou um considerável aumento na produção de conhecimento em petróleo e gás no Brasil. Ao todo, foram apresentados 310 trabalhos, selecionados entre 520 enviados, cobrindo nove diferentes áreas. O evento também foi um sucesso de público com quase 800 participantes, 200 a mais que o previsto segundo o presidente do congresso, Sérgio Bordalo, do Departamento de Engenharia do Petróleo da Faculdade de Engenharia Mecânica da Unicamp.

Bordalo ressaltou a importância do evento para o intercâmbio entre pesquisadores vindos de 23 instituições de pesquisa de todo o Brasil. Ele ainda frisou a importância dessas instituições na formação de recursos humanos qualificados. Em 13 estados brasileiros, mais de 25 instituições de ensino participam do Programa de Recursos Humanos (PRH) da Agência Nacional do Petróleo (ANP) que dispõe de recursos vindos do fundo setorial de petróleo.

O evento foi realizado pela Associação Brasileira de Pesquisa de Desenvolvimento de Petróleo e Gás (ABPG) e pela primeira vez foi organizado pela Unicamp. A universidade completou 20 anos de pesquisa em petróleo, neste ano de 2007. Para o diretor do Centro de Pesquisa de Petróleo (Cepetro) da Unicamp, Saul Suslick, o congresso apresentou avanços na qualidade dos trabalhos e na articulação entre as entidades formadoras de recursos humanos.

Outro ponto positivo, segundo ele, foi a visível presença da atividade de pesquisa na formação profissional. "A associação da pesquisa com a formação de recursos humanos está mais forte e apresentando ótimos resultados", comemora Suslick. Outro destaque importante observado pelo pesquisador foi a grande participação de jovens no evento. "No exterior, as novas gerações não se interessam pelo setor de petróleo, com isso a indústria já está sofrendo a falta de recursos humanos especializados", revela o diretor do Cepetro.

Responder a esta matéria