Livro inédito aborda crenças sociais em domínios como a educação

terça-feira 10 de outubro de 2006.
 
O livro Auto-eficácia em diferentes contextos, organizado por Roberta Gurgel Azzi e Soely Polydoro, da Faculdade de Educação da Unicamp, que será lançado ainda este ano, aborda a teoria da auto-eficácia e sua importância, entre outras coisas, para o planejamento docente.

O livro Auto-eficácia em diferentes contextos, organizado pelas docentes da Faculdade de Educação (FE) da Unicamp, Roberta Gurgel Azzi e Soely Polydoro, é resultado de estudos brasileiros inéditos em teoria social cognitiva e está em fase final de revisão, previsto para ser lançado ainda este ano pela editora Alínea. Além de apresentar as idéias do psicólogo canadense Albert Bandura, pesquisador da Standford University - autor que se tornou referência para a teoria social cognitiva, cujo conceito central é a auto-eficácia -, o livro aborda em cada capítulo um domínio específico em que a teoria pode ser estudada, como por exemplo, a importância da auto-eficácia para o planejamento docente.

Segundo Bandura, auto-eficácia é a crença nas habilidades individuais de organizar e exercitar os recursos para administrar situações com vistas no futuro. Pesquisas realizadas na área comprovam a relação entre a crença de auto-eficácia do professor e os resultados conseqüentes na educação. Em relação à capacidade do professor em ensinar, por exemplo, é observado que, a partir de sua auto-eficácia, ele escolhe estratégias de ensino para manter o controle da aula.

Ainda de acordo com Bandura, a auto-eficácia dos professores aparenta ser um bom indicador de sucesso acadêmico do aluno. Para Polydoro, uma das organizadoras do livro, os estudos que relacionam a auto-eficácia e a docência também mostram que a capacidade do aluno pode estar ligada à promoção do ambiente educacional mediado pelo professor. Assim, a auto-eficácia influencia a motivação e o aprendizado.

O livro é dirigido a pesquisadores, profissionais e estudantes de graduação e pós-graduação de diferentes áreas do conhecimento, com destaque para as áreas de psicologia, educação, saúde e esporte. “Os Estados Unidos possuem a maioria das publicações na área, sendo que em português existem poucos textos. Quando muito, alguns capítulos de livros abordam o tema. Será uma publicação inédita no Brasil”, afirma Polydoro, também coordenadora do Grupo de Pesquisa Psicologia e Educação Superior (PES).

O PES atualmente desenvolve duas grandes pesquisas na área de auto-eficácia. Uma delas, “Investigando percepções de auto-eficácia no contexto educativo”, em fase de coleta de informação, foca as crenças do aluno, do professor do e gestor em organizar e executar determinadas ações. O corpus da pesquisa abrange tanto alunos no ingresso quanto no final dos cursos de licenciatura, e o estudo aborda como eles estão em termos de sua crença de auto-eficácia para a futura prática docente. “Até para pensar a formação do professor, que é uma das preocupações do PES”, diz Polydoro. O objetivo final desse estudo é possibilitar intervenções que favoreçam o aprendizado. Outro grupo em análise é de professores no início de carreira, de diferentes áreas do conhecimento como matemática, educação física ou idiomas estrangeiros.

A outra pesquisa, “A auto-eficácia nas produções de Albert Bandura: contextualizando contribuições”, traz para o contexto brasileiro a teoria de Bandura. Este projeto teve financiamento do Fundo de Apoio ao Ensino, à Pesquisa e à Extensão (Faepex) da Unicamp, que possibilitou viagem acadêmica aos Estados Unidos - durante a qual se coletou as obras do autor a serem estudadas -, e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). “Estes apoios foram de extrema importância para reunir artigos de Bandura, o que permite hoje um estudo sobre as idéias do autor ao longo do tempo. Com o material que temos, dispomos de condições de conhecer bem sua obra. Ele em pessoa nos ofereceu muitas separatas de artigos que teríamos muita dificuldade em obter, alguns da década 50”, afirma Roberta Azzi. Espera-se, com este projeto, contribuir com a produção de textos que apresentem e problematizem as idéias e estudos deste autor, assinalando também sua contribuição em diferentes campos do conhecimento.

A maioria dos colaboradores do livro que está sendo finalizado é da FE, como Anita Liberalesso, Evely Boruchovitch e Márcia Brito, mas a coletânea também inclui autores de instituições portuguesas, como os professores Diana Vieira e Joaquim Luís Coimbra, da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto. Destaca-se, ainda, o autor José Aloyseo Bzuneck, professor do Centro de Educação, Comunicação e Artes da Universidade Estadual de Londrina, brasileiro precursor na abordagem do tema da auto-eficácia docente relacionada à motivação. Ele é uma das referências no país em relação ao estudo da teoria social cognitiva, cujo conceito central é a auto-eficácia.

A teoria de Bandura

O site que tem o maior conjunto de informações sobre a teoria, principalmente sobre o conceito de auto-eficácia, é de responsabilidade de outro especialista, Frank Pajares, professor da Emory University. Em seu site, é possível visualizar a amplitude de países e domínios envolvidos com o tema. Quando o grupo de pesquisadores brasileiros começou a se envolver cada vez mais com ele, também criaram um site agrupando informações sobre estudiosos do país, cujo principal objetivo é possibilitar o intercâmbio entre pesquisadores e áreas de estudo. “Este encontro possibilita o fazer ciência”, diz Polydoro.

O próprio Bandura produziu o Guide for Creating Self-Efficacy Scales, guia com elementos para a construção dos instrumentos de estudo, se preocupando não apenas com a teoria, mas com questões de metodologia. “Em suas obras, o autor destaca a relação de três elementos importantes para a análise da auto-eficácia: o ambiente, o comportamento e os fatores pessoais. A partir deste pressuposto, há a idéia de ‘agente humano’, ou seja, de que os indivíduos possuem capacidades que dão a eles condição de ser alguém atuante para tomar decisões, desenvolver e alcançar metas”, diz Polydoro.

Outros conceitos importantes na área são: a “auto-regulação”, que significa o monitoramento e o julgamento da ação, e a “modelação”, ou seja, o agente aprende também observando, não apenas através da participação direta. “A partir da idéia de auto-regulação, considera-se o desenvolvimento moral do individuo, tema em constante discussão na atualidade, ou seja, como as pessoas trabalham com as regras, normas e valores da sociedade, justificando suas ’saídas’”, afirma Polydoro.

Esses conceitos centrais da teoria social cognitiva serão tratados em outro livro em produção, denominado Teoria Social Cognitiva: conceitos básicos, com previsão de publicação para início de 2007 pela Artmed. Esta obra, de caráter teórico, é organizada pelo próprio Albert Bandura e tem como autores, além de Roberta Azzi e Soely Polydoro, Frank Pajares, Fabian Olaz, Anna Edith Bellico da Costa e Fábio Iglesias.

Responder a esta matéria