Advergames ganham força na Internet e migram para a TV

quarta-feira 9 de agosto de 2006.
 
Diversas empresas estão investindo nesse início de milênio em advergames (jogos publicitários) para promover suas marcas e produtos. Os planos de mídia integrados, que envolvem a utilização de diversos meios para divulgar um produto, também incluem os advergames, uma ferramenta que tem sido utilizada intensamente.

Diversas empresas estão investindo nesse início de milênio em advergames (jogos publicitários) para promover suas marcas e produtos. Para a Copa de 2002, a Devworks já havia desenvolvido o game “Pebolim” que esteve em destaque no site da Kaiser. O jogo em 3D imitava uma mesa de pebolim e permitia que o internauta representasse o Brasil em jogos contra as outras equipes que participaram do mundial. Segundo Marcelo Carvalho, presidente da Devworks, com o anúncio interativo, os acessos ao site triplicaram e o tempo de permanência do usuário se multiplicou por dez.

Os planos de mídia integrados, que envolvem a utilização de diversos meios para divulgar um produto, também incluem os advergames, uma ferramenta que tem sido utilizada intensamente. A Nívea disponibilizou este ano em seu site o game “Futebol Mania”, que continua acessível mesmo depois de finalizada a promoção que premiava com um carro aquele que ganhasse a competição de futebol online. Assim, outra vantagem desta mídia é que ela pode ser acessada inúmeras vezes pelo público institucional, mesmo sem promoções.

Na onda das campanhas integradas, a Rede Bandeirantes de Televisão também aproveitou a época de Copa para disponibilizar um game não apenas na web - berço do advergame -, mas também na TV. A nova atração será veiculada a partir de agosto, através do quadro Brincadeira dos Monstros, no programa Pra Valer, exibido de segunda a sexta, das 15h às 17h15, apresentado por Claudete Troiano. Os telespectadores podem ligar para o programa e participar do game de futebol Monstro Gol, cujo objetivo é fazer gols de pênalti. Quem acertar três dos cinco chutes leva o maior prêmio em dinheiro da promoção, que começa com a quantia de R$ 1.000 e pode acumular. Aqueles que fizerem apenas um ou dois gols podem ganhar R$ 100 por gol. O jogador deverá escolher dentre os personagens monstros aqueles que serão o atacante e o goleiro.

Segundo Luis Renato Olivalves, gerente de interatividade da Band, o novo formato do quadro promoverá mais intercâmbio entre o programa e o público da emissora. Em breve, o jogo também será disponibilizado através do site do Pra Valer, e assim, o público da Band também poderá se divertir com o game na web e treinar para concorrer ao vivo. Olivalves afirma que na web, o objetivo do jogo é ser um passatempo, além de incentivar os internautas à participação ao vivo.

Este advergame foi desenvolvido pela Délirus Entertainment, empresa focada em mídias interativas, unindo jogos eletrônicos a anúncios comerciais. “O objetivo é agregar valor ao programa televisivo e ao site, despertando ainda mais a atenção do público da Band e gerando aumento de visitas na página do programa”, afirma André Penha, diretor executivo da Délirus. O game ainda aumentará a abrangência de campanhas publicitárias veiculadas através dos anúncios dinâmicos nas placas atrás do gol. Olivalves ressalta que o objetivo do game é gerar fidelização, fazer o telespectador participar e gerar audiência. “É um formato diferenciado, atraente, por ser virtual e tem tudo a ver com o programa da Claudete, que dedica a maior parte do seu tempo ao entretenimento”, completa.

Segundo Márcio Dantas, coordenador do desenvolvimento do jogo, para produzir o advergame para a TV foi preciso adequar os gráficos para o formato desta. “A interface é bem diferente da web, jogar com mouse e teclado é bem diferente do que jogar falando pelo telefone. Os jogos devem ser fáceis de entender e rápidos, pois o tempo na TV é curto”, explica.

Além de promover o produto ou marca, empresas que investem nesta divulgação diferenciada podem aumentar a audiência, tanto no caso da TV como no site. Os jogos simples atraem os públicos mais variados e têm um apelo especial para os jogadores casuais. “A fixação da marca na cabeça do cliente em momentos de diversão é a principal vantagem do advergame, que prende a atenção do espectador mais do que as mídias não interativas”, diz Penha. Assim, a mistura de anúncio publicitário e jogo pode ser um negócio rentável tanto para desenvolvedores quanto para anunciantes.

Leia também:

-  Ergonomia e usabilidade em advergames: vale o simples

Responder a esta matéria