Últimas notícias
Começa hoje congresso que trata de negacionismo em tempos de desinformação
Processo seletivo Mestrado 2021 / 2022: Inscrições Homologadas
Morre Carlos Terena, criador dos Jogos Mundiais dos Povos Indígenas
Jornalismo científico perde Maurício Tuffani
Saberes indígenas e divulgação científica se misturam no ECOA MALOCA
Podcast “Mundaréu” lança segunda temporada 
“Temos que resistir”: Carlos Vogt fala sobre os desafios atuais para a ciência e divulgação científica
Comunicado sobre retorno gradativo às atividades presenciais do Nudecri
Especialização em jornalismo científico terá aula inaugural dia 21
Carlos Vogt está entre os agraciados pelo prêmio Almirante Álvaro Alberto

Arquivo de notícias

Morre Carlos Terena, criador dos Jogos Mundiais dos Povos Indígenas


Notícia publicada em: 14 de junho de 2021

O líder indígena, nascido em Aquidauana (MS), faleceu dia 12 de junho, acometido pelo novo coronavírus. Foi ativista em demarcações de terras indígenas, e junto com o irmão, Marcos, idealizador dos Jogos dos Povos Indígenas.

Inspirou o projeto Jogo, celebração, memória e identidade: Reconstrução da trajetória de criação, implementação e difusão dos Jogos Indígenas no Brasil (1996-2009) do Labjor, que reuniu vasto material sobre o evento, sob comando das professoras Vera Regina Toledo de Camargo, Maria Beatriz Rocha Ferreira e Olga von Simson, da Unicamp, e Manuel Hernández Vázquez, fundador do Museo del Juego.

“Carlos Terena, grande líder, tinha um grande sonho de reunir os povos indígenas em um ideal. Com essa afirmativa, junto com o irmão Marcos, idealizaram os Jogos dos Povos Indígenas. Nos ajudou muito em nossos projetos. Seus ideais estão perpetuados nos projetos do Labjor”, conta a professora e pesquisadora Vera Regina Toledo Camargo.

O projeto pode ser acessado pelo site e deu origem a um livro, que pode ser baixado aqui.

“Conheci Carlos Terena como uma pessoa incrível, um sonhador e um dos idealizadores dos Jogos dos Povos Indígenas, juntamente com seu irmão Marcos Terena. A presença dele, o sonho, o amor pelos parentes, a visão que teve de trazer os Jogos dos Povos Indígenas para a cidade foi um desafio e teve grandes contribuições para a ciência e pesquisa. Nunca se eximiu de conversar, ser entrevistado e transmitir a sua sabedoria. A vida de Carlos foi sempre de muita seriedade e constante reflexão.  Ele conseguiu tornar o sonho em realidade. Mostrou a antítese da competição e nos deixou a direção – o lema – O importante não é competir, mas sim celebrar.  A celebração traz o mais profundo que um ser humano possa ter, no caso através dos jogos, da festa, da arte plumária, da pintura corporal, da dança, enfim todos elementos inscritos nos rituais e no amor entre os parentes. Obrigada pela sua amizade, sabedoria e com certeza eu, colegas e alunos da Unicamp que conviveram com você somos muito gratos. O seu legado chegou na universidade e se transformou nas teses, dissertações e publicações. Trouxe imensos benefícios para compreender melhor os povos indígenas e as demandas no mundo atual. Que o seu retorno ao Grande Criador, como dizia, seja de muita glória e paz”, diz a professora Maria Beatriz Rocha Ferreira, livre docente pela Faculdade de Educação Física da Unicamp e pesquisadora visitante no Labjor.

O Labjor é um centro de referência para a formação e para os estudos em divulgação científica e cultural. Oferece, de forma multidisciplinar, cursos de pós-graduação, e proporciona pesquisas e produtos culturais que contribuem para a análise da dinâmica das relações entre ciência e sociedade.
Universidade Estadual de Campinas - Unicamp
Rua Seis de Agosto, 50 - 3º piso - CEP: 13083-873
Fones: (19) 3521-2584 / 3521-2585 / 3521-2586 / 3521-2588
Ver endereço para envio de correspondências
LABORATÓRIO DE ESTUDOS AVANÇADOS EM JORNALISMO - UNICAMP